Numa tarde cansada de outono, quando o sol se escondeu no horizonte. Ao ruído infantil de uma fonte, eu me pus a pensar em você. Em você que se sente perdido quando põe seu olhar nas estrelas, e de tanto contá-las e vê-las, já não sabe se crê ou não crê. Eu conheço as milhões de perguntas que você que falou que não crê, e que diz que só crê no que vê, todo dia pergunta pra Deus. Eu conheço as milhões de respostas, que ninguém tem coragem de dar, quando a vida nos vem questionar; Como vê somos todos ateus. Numa tarde tristonha de inverno retornei ao murmúrio da fonte. Não havia mais sol no horizonte, e eu me pus a pensar nos cristãos. Nos cristãos que se sentem tranquilos, quando põe seu olhar nas estrelas. E de tanto contá-las e vê-las, nunca mais põe os olhos no chão. Eu conheço as milhões de respostas, que esta gente que fala que crê, mas não ouve, não pensa e não lê, não responde por medo de Deus. Eu conheço as milhões de perguntas que os cristãos nunca ousam fazer. Pois terão de se comprometer; Como vê somos todos ateus.

O homem é um Universo em Evolução

O homem é um Universo em Evolução

terça-feira, 31 de outubro de 2017

O Rosto de Cristo




Como era Jesus Cristo


COMO ERA A PESSOA DE JESUS CRISTO, documento em ROMA (enviado por Públios Lentulus)

Do senador e governador da Judéia, Públios Lentulus, que substituíu Pilatos  para  o Imperador César Romano:
– Soube ó César, que desejavas informações acerca desse homem virtuoso que se chama Jesus, que o povo considera um profeta, e seus discípulos, o filho de Deus, criador do céu e da terra.
Com efeito, César, todos os dias se ouvem contar dele coisas maravilhosas.
Numa palavra, ele ressuscita os mortos e cura os enfermos.
É um homem de estatura regular, em cuja fisionomia se reflete tal doçura e tal dignidade que a gente sente obrigado a amá-lo e temê-lo ao mesmo tempo.
A sua cabeleira tem até as orelhas, a cor das nozes maduras e, daí aos ombros tingem-se de um louro claro e brilhante; divide-se uma risca ao meio, á moda nazarena.
A sua barba, da mesma cor da cabeleira, e encaracolada, não longa e também repartida ao meio.
Os seus olhos severos têm o brilho de um raio de sol; ninguém o pode olhar em sua face.
Quando ele acusa ou verbera, inspira o temor, mas logo se põe a chorar.
Até nos rigores é afável e benévolo.
Diz-se que nunca ninguém o viu rir, mas muitas vezes foi visto chorando.
As suas mãos são belas como seus braços, toda gente acha sua conversação agradável e sedutora.
Não é visto amiúde em público e, quando aparece, apresenta-se modestíssimamente vestido.
O seu porte é muito distinto. É belo.

Sua mãe, aliás, é a mais bela das mulheres que já se viu neste país..
Se o queres conhecer, ó César, como uma vez me escreveste, repete a tua ordem e eu te o mandarei.
Se bem que nunca houvesse estudado, esse homem conhece todas as ciências.
Anda descalço e de cabeça descoberta.
Muitos riem, quando ao longe o enxergam; desde que porém. se encontram face a face com ele, tremem e admiram-no.
Dizem os hebreus que nunca viram um homem semelhante, nem doutrinas iguais às suas
Muitos crê que ele seja Deus, outros afirmam que é teu inimigo, ó César.
Diz-se ainda que ele nunca desgostou ninguém, antes se esforça para fazer toda gente venturosa.

OBS 1
A descrição acima foi traduzida de uma carta de Públius Lentulus a César Augusto, Imperador de Roma.
Públius Lentulus, senador, foi predecessor de Pôncio Pilatos como governador da Judéia, na época em que Jesus Cristo foi cruxificado. O texto original encontra-se na biblioteca do Vaticano.
Comprovada sua autenticidade, tornou-se, fora da Bíblia, o documento mais importante sobre a pessoa do Senhor Jesus.
OBS 2
Sabemos também que após a crucificação de Cristo, algum tempo depois, Públius Lentulus perdeu sua esposa na arena e após, tornou-se seu seguidor e, juntamente com sua filha Lívia, levava a palavra de Deus aos povos da época 
Fonte: A voz do Espiritismo 

O Rosto de Cristo - J. Neto
Sempre que eu leio a história de Cristo
Eu fico a pensar com grande emoção
Do privilegio que muitos tiveram
De ver o Seu rosto e sentir Sua mão
Eu também teria a mesma alegria
De vê-lo bem perto
Bem juntinho a mim
Olhar seus olhos serenos e meigos
Oh! Como eu seria tão feliz assim
Queria saber como era o seu rosto
Embora eu sinta que era mui lindo
Inspirava fé e também confiança
E dava a todos um gozo infindo
Ao ver as gravuras dos quadros pintados
Daquilo que dizem ser o meu Senhor
Meu ser não aceita o que está na tela
É falsa inspiração do pintor
Não creio, não creio num Cristo vencido
Cheio de amargura, semblante de dor
Eu creio num Cristo de rosto alegre
Eu creio no Cristo que é vencedor
E um dia também O verei face a face
E assim eu creio pela minha fé
Oh! Aleluia, verei o Seu rosto
Verei a Jesus como Ele é
Oh! Aleluia, verei o Seu rosto
Verei a Jesus como Ele é

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

A Ciência começa a descobrir Deus - Parte 3




"É impossível provar cientificamente

que Deus não existe", diz cientista

Adauto Lourenço

O físico apresentou evidências que apontam o criacionismo

como o modelo mais coerente da origem do universo

Professor Adauto Lourenço durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
Professor Adauto Lourenço durante o Encontro Nacional de Universitários. 
(Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
“É impossível provar cientificamente que Deus existe. 
Da mesma forma, é impossível provar cientemente que 
Deus não existe”. 
A frase dita pelo físico Adauto Lourenço durante o Encontro 
Nacional de Universitários ressalta que essa discussão 
não é uma questão científica, mas filosófica.
Por muitos anos, Lourenço foi conhecido como um 
evolucionista teísta, uma linha de pensamento 
que busca conciliar a criação de Deus e a teoria da evolução. 
Há 20 anos, o físico mudou seu posicionamento para 
o chamado criacionismo 
— não por causa de uma conversão, mas diante da quantidade 
de evidências científicas que o convenceram.
Lourenço observa que o relato da criação do mundo no 
livro de Gênesis não contradiz a ciência. 
“A ciência não é contra a Bíblia, 
mas posicionamentos científicos sim. 
Ciência é conhecimento. 
Não é a ciência que não acredita em Deus, 
são os cientistas que não acreditam em Deus”, afirma.
De acordo com o modelo evolucionista, 
se o universo tivesse sido surgido a partir do "Big Bang", 
as galáxias mais distantes da Terra deveriam estar 
menos organizadas, pois elas teriam levado 
um longo tempo para serem formadas espontaneamente. 
No entanto, evidências científicas refutam 
essa afirmação e dão respaldo ao criacionismo.
“Se o universo tivesse surgido espontaneamente, 
olhando logo em seu início — estudando objetos 
a 13 bilhões de anos-luz — veríamos coisas 
começando a se formar. Mas não 
é isso o que a ciência tem descoberto. 
Uma publicação científica, em 1994, 
mostrou que as galáxias distantes são 
surpreendentemente semelhantes 
em muitos aspectos e suas descendentes 
consideravelmente mais próximas. 
Não estamos vendo galáxias nascendo, 
estamos vendo galáxias morrendo”, explica.
“Não deveria haver galáxias maduras no início do universo, 
mas elas estão lá”, Lourenço acrescenta.
 “Isso significa que o modelo evolucionista está errado. 
Não estou tratando de religião, isso é 
publicação científica. 
O universo em seu início já era completo, 
complexo e perfeitamente funcional”.



Professor Adauto Lourenço durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
Além disso, cientistas descobriram em 2011 a presença de água nos lugares mais distantes do universo. “É mais uma demonstração de que havia água no universo desde as eras primordiais”, disse a publicação científica. “O interessante é que a Bíblia já dizia que no início, ‘o Espírito de Deus pairava sobre as águas’. Eles apenas estão provando a Bíblia”, disse Lourenço.
A natureza e seu autor
“Quando nós estudamos a natureza, a natureza não fala nada diferente daquilo que a Bíblia diz. O autor é o mesmo. O problema é que, muitas vezes, nós não sabemos ler a natureza, porque colocamos uma lente diferente para enxergá-la”, explica.
O criacionista destaca que não é observada evolução em animais com características semelhantes, mas sim a existência de espécies diferentes. “Para a evolução acontecer, teria que haver mutação — surgimento de novo material genético, novos órgãos, novas funções, novas estruturas”, esclarece.
Lourenço observa que os dois modelos têm as sua propostas, mas a evidência científica apoia o criacionismo. “Segundo Darwin, ‘todos os seres orgânicos que já existiram na Terra provavelmente descendem de uma forma primordial, na qual a vida foi primeiramente soprada’”, disse ele, fazendo referência a Gênesis 2:7.
O cientista também defendeu que a Bíblia está correta em todo o seu conteúdo, conforme comprova o estudo conhecido como “Eva Mitocondrial”. “A Bíblia diz que todo ser humano veio de uma única e mesma mulher, assim como mostrou o estudo do DNA mitocondrial publicado em 1980”, destaca.
Ele ainda observa que a Bíblia é coerente entre o seus 40 autores, mesmo tendo sido escrita em 3 continentes diferentes ao longo de 1.600 anos. “Nenhum outro livro tem essa característica”, afirmou.

Professor Adauto Lourenço durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)
A cronologia bíblica é uma questão importante, que muitas vezes é negligenciada, segundo Lourenço. “Quando o pai de Noé nasceu, Adão ainda estava vivo. Isaque estava vivo quando o filho de Noé, Sem, faleceu. Isso mostra que as informações da criação foram passadas de uma geração para a outra e que existia uma ligação muito próxima daqueles que transmitiram a informação que hoje nós temos”.
“Toda a ciência devidamente estabelecida e toda a Bíblia corretamente interpretada, nunca entrarão em contradição”, o físico conclui.

FONTE: GUIAME, LUANA NOVAES


Quando o sol aquece de manhã 
O planeta Terra onde eu vivo 
Não importa em que lugar estou 
Olho a natureza pensativo 
O vento assanha as águas do 
Oceano 
Surfa pelas ondas da canção
Quem compõe a música do 
Vento 
E quem acendeu o sol então 
Aleluia, aleluia 
Conclusão dos pensamentos meus 
Aleluia, aleluia 
Em tudo isso tem a mão de Deus 
Quando cai a chuva e molha o 
Chão 
Meu planeta fica tão florido 
Vem a tarde e as tintas lá do céu 
Pintam um horizonte colorido 
Folhas, flores, frutos se 
Misturam 
Nesse quadro o amor e 
A perfeição 
Quem é esse agricultor divino 
É o mesmo autor do quadro então 

ESTRIBILHO

Quando vem a noite eu olho 
O céu 
As estrelas brilham no infinito 
Vejo a lua clara sobre o mar 
E nesse momento eu reflito 
Um ser supremo em tudo isso 
Existe 
Deus, a luz maior, a explicação 
Tudo vem das suas mãos 
Divinas 
O céu, a terra, o mar, a vida então

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

A Ciência começa a descobrir Deus - Parte 2

Astrofísica ateia se converte ao cristianismo e choca amigos ao afirmar: ''Existe uma ordem no universo''

Repercutiu em sites de todo o planeta, recentemente, o testemunho de pesquisadora do Departamento de Astronomia da Universidade do Texas e professora de Astrofísica na Universidade Southwestern. A incrível história de Sarah Salviander e sua conversão a Cristo começa com os seus estudos científicos e culmina com a morte da filha. Vale a pena investir cinco minutos em ler o depoimento dela.


Eu nasci nos Estados Unidos e fui criada no Canadá. Meus pais eram ateus, embora preferissem se definir como ‘agnósticos’. Eles eram carinhosos e mantinham uma ótima conduta moral, mas a religião não teve papel nenhum na minha infância”. “O Canadá já era um país pós-cristão. Olhando em retrospectiva, é incrível que, nos primeiros 25 anos da minha vida, eu só conheci três pessoas que se identificaram como cristãs. A minha visão do cristianismo era intensamente negativa. Hoje, olhando para trás, eu percebo que foi uma absorção inconsciente dessa hostilidade geral que existe no Canadá e na Europa em relação ao cristianismo. Eu não sabia nada do cristianismo, mas achava que ele tornava as pessoas fracas e tolas, filosoficamente

banais”. Aos 25 anos, quando abraçava a filosofia racionalista de Ayn Rand, Sarah entrou em uma universidade dos EUA: “Entrei no curso de Física da Eastern Oregon University e percebi logo a secura e a esterilidade do
objetivismo racionalista, incapaz de responder às grandes questões: qual é o propósito da vida? De onde foi que viemos? Por que estamos aqui? O que acontece quando morremos?
Eu notei também que esse racionalismo sofria de uma incoerência interna: toda a sua atenção se volta para a verdade objetiva, mas sem apresentar uma fonte para a verdade. E, embora se
dissessem focados em desfrutar a vida, os objetivistas racionalistas não pareciam sentir alegria alguma. Pelo contrário: estavam ferozmente preocupados em se manter independentes de qualquer pressão externa”. A atenção da jovem se voltou completamente ao estudo da física e da matemática. “Entrei nos clubes universitários, comecei a fazer amigos, e, pela primeira vez na minha vida, conheci cristãos. Eles não eram como os racionalistas: eram alegres, felizes e inteligentes, muito inteligentes.
Fiquei de boca aberta ao descobrir que os meus professores de física, a quem eu admirava muito, eram cristãos. O exemplo pessoal deles começou a me influenciar e eu me via cada vez menos hostil ao cristianismo. No verão, depois do meu segundo ano, participei de um
estágio de pesquisa na Universidade da Califórnia, num grupo do Centro de Astrofísica e Ciências Espaciais que estudava as evidências do Big Bang.
Era incrível procurar a resposta para a pergunta sobre o nascimento do Universo. Aquilo me fez pensar na observação de Einstein de que a coisa mais incompreensível a respeito do mundo é que o mundo é compreensível. Foi aí que eu comecei a perceber uma ordem subjacente ao universo. Sem saber, ia despertando em mim o que Salmo 19 diz com tanta clareza: ‘Os céus proclamam a glória de Deus; o firmamento anuncia a obra das suas mãos’”. Depois desse insight, a razão de Sarah foi gradualmente se
abrindo ao Mistério:
“Comecei a perceber que o conceito de Deus e da religião não eram tão filosoficamente banais como eu pensava que fossem. Durante o meu último ano, conheci um estudante finlandês de ciências da computação. Um homem de força, honra e profunda integridade, que, assim como eu, tinha crescido como ateu num país laico, mas que acabou abraçando Jesus Cristo como o seu Salvador pessoal, aos 20 anos de idade, graças a uma experiência particular muito intensa. Nós nos apaixonamos e nos casamos. De alguma forma, mesmo não sendo religiosa, eu achava reconfortante me casar com um cristão. Terminei a minha formação em física e matemática naquele mesmo ano e, pouco tempo depois, comecei a dar aulas de astrofísica na Universidade do Texas em Austin”. A penúltima etapa da jornada de Sarah foi a descoberta, também casual, de um livro de Gerald Schroeder:
“The Science of God” [“A Ciência de Deus”]. “Fiquei intrigada com o título e alguma coisa me levou a lê-lo, talvez o anseio por uma conexão mais profunda com Deus. Tudo o que sei é que aquilo que eu li mudou a minha vida para sempre. O Dr. Schroeder é físico do MIT e teólogo. Eu notei então que, incrivelmente, por trás da linguagem metafórica, a Bíblia e a ciência estão em completo acordo.
Também li os Evangelhos e achei a pessoa de Jesus Cristo extremamente convincente; me senti como quando Einstein disse que ficou ‘fascinado com a figura luminosa do Nazareno’. Mesmo com tudo isso, apesar de reconhecer a verdade e de estar intelectualmente segura quanto a ela, eu ainda não estava convencida de coração”.

O encontro decisivo com o cristianismo aconteceu há apenas dois anos, depois de um acontecimento dramático: “Eu fui diagnosticada com câncer. Não muito tempo depois, meu marido teve meningite e encefalite; ele se curou, felizmente, mas levou certo tempo. A nossa filhinha Ellinor tinha cerca de seis meses quando descobrimos que ela sofria de trissomia 18, uma anomalia cromossômica fatal. Ellinor morreu pouco depois. Foi a perda mais devastadora da nossa vida. Eu caí nas mãos do desespero até que tive, lucidamente, uma visão da nossa filha nos braços amorosos do Pai celestial: foi só então que eu encontrei a paz. Depois de todas essas provações, o meu marido e eu não só ficamos ainda mais unidos, como também mais próximos de Deus. A minha fé já era real. Eu não sei como teria passado por essas provações se tivesse
continuado ateia. Quando você tem 20 anos, boa saúde e a família por perto, você se sente imortal. Mas chega um momento em que a sensação de imortalidade evapora e você se vê forçada a enfrentar a inevitabilidade da própria morte e da morte das pessoas mais queridas”. “Eu amo a minha carreira de astrofísica. Não consigo pensar em nada melhor do que estudar o funcionamento do universo e me dou conta, agora, de que a atração que eu sempre senti pelo espaço não era nada mais do que um intenso desejo de me conectar com Deus. Eu nunca vou me esquecer de um estudante que, pouco tempo depois da minha conversão, me perguntou se era possível ser cientista e acreditar em Deus. Eu disse que sim, claro que sim. Vi que ele ficou visivelmente aliviado. Ele me contou que outro professor tinha respondido que não. Eu me perguntei quantos outros jovens estavam diante de questões semelhantes e decidi, naquela hora,
que iria ajudar os que estivessem lutando com esses questionamentos. Eu sei que vai ser uma jornada difícil, mas o significado do sacrifício de Jesus não deixa dúvidas quanto ao que eu tenho que fazer”.

Fonte: BlogComShalom.com

Curta Nossa Página no Facebook
Sua partilha é muito importante e nos ajuda a continuar criando conteúdo

A Ciência começa a descobrir Deus - Parte 1


"O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque Nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por Ele e para Ele. Ele é antes de todas as coisas, E NELE subsistem todas 
as coisas". (Cl 1, 16) 

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez....Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.... E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. (João 1:1-14)
Filho Pródigo - Pe, zezinho
Filosofia não me deu felicidade,
explicação não explicou o que eu te fiz.
Eu tinha tudo ao meu redor,
saúde, paz e tanto amor
e mesmo assim não soube ser feliz.
Minha casa é a casa do Senhor
Minha casa é a casa do Senhor (bis).
Eu me afastei porque pensei ser meu direito
usar daquilo que era meu como escolhi.
Eu tinha ao meu redor 
e Deus me dava o seu amor
e mesmo assim meu Deus eu não ouvi.
Imaginei saber de tudo e fui descrente
contra meu Deus ouvi falar e me calei.
Não eu não fui um bom cristão,
pois fiz ao mundo concessão
e sem notar, de Deus me envergonhei.
Igual ao filho que partiu naquela história,
felicidade longe dele eu não achei.
Filosofia não me deu
aquela paz que vem de Deus,
ao meu Senhor agora eu voltarei.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Deus proibiu a fabricação de imagens?


Uma das “grandes armas”  que o protestantismo pensa ter para atacar a Igreja Católica são as imagens. Em qualquer conversa com protestantes a respeito de religião, seja qual assunto for, ele sempre tende que pender para as imagens da Igreja Católica. Quando isso acontece os protestantes sempre aparecem com a famosa passagem da suposta proibição de imagens do livro de Êxodo, ela é:
Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.” (Ex 20, 4)
Bem, essa parece ser uma proibição absoluta tanto da fabricação quanto da adoração de imagens. Qualquer um que ler a primeira vista vai tirar esta conclusão. Porém a bíblia não deve ser interpretada em versículos isolados nem em traduções tendenciosas, nem tudo que parece ser, é realmente.
Se virarmos algumas páginas depois de Êxodo 20, em Êxodo 25, veremos Deus ordenando Moisés fabricar imagens:
Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório.” (Ex 25,18)
Ora, Deus está se contradizendo? Em um lugar ele proibiu a fabricação de imagens e 5 capítulos após, ele mesmo manda fazer imagens? Pode Deus se contradizer? Claro que não!
Deus nunca proibiu a fabricação de imagens, o que Ele proibiu foi a fabricação de ídolos. Uma análise bem feita do texto e uma verificação do texto original provarão isso.
Se olhar os versículos que antecedem e sucedem a passagem veremos que:
Não terás outros deuses diante de mim.
Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta..” (Êxodo 20, 3-5)
Pelo próprio contexto vemos que a passagem não se refere a “imagens” e sim a “deuses”, ou seja era a proibição  das imagens desses deuses. Acontece que o povo judeu estava saindo Egito e embebido da idolatria pagã egípcia. Os deuses egípcios eram todos representados em imagens e pinturas, daí vem a proibição para que os judeus não mais fizessem as representações destes deuses.
Analisando o texto no hebraico encontraremos a palavra “פֶסֶל֙ ” (fessel ou pecel), essa palavra não significa “imagens de escultura” e sim “ídolos”.

Exaustiva concordância Strong (dicionário das linguas bíblicas, e protestante) traduz essa palavra como:
06459 pecel
procedente de 6458; DITAT - 1788a; n. m.
1)      ídolo, imagem
 Como vemos a palavra não diz respeito a qualquer imagem, e sim a ídolos esculpidos, ou seja imagens de ídolos. De fato pode ser traduzida como imagem, mas não diz respeito a qualquer imagem e sim  especificamente ídolos esculpidos. Dessa forma vemos que a passagem é uma clara referência aos deuses do Egito, como constataremos a baixo:
Não farás para ti ídolos ou coisas alguma que tenha a forma de algo que se encontre no alto do céu…”. (êxodo 20, 4)
O que estava no céu, eram os deuses dos ares do Egito:
 RÁ (ou Rê), o criador dos deuses e da ordem divina egípcia. Foi retratado pela arte egípcia sob muitas formas e denominações e era também representado por um falcão, por um homem com cabeça de falcão ou ainda, mais raramente, por um homem. Quando representado por uma cabeça de falcão estabelecia-se uma identidade com Hórus, outro deus solar adorado em várias partes do país desde tempos remotos.
Í BIS, uma ave pernalta de bico longo e recurvado. Existe uma espécie negra e outra de plumagem castanha com reflexos dourados, mas era o íbis branco, ou íbis sagrado,que era considerado pelos egípcios como encarnação do deus Thoth. Um homem com cabeça de íbis, era outra das representações daquele deus.

HÓRUS, filho de Isis e Osíris. Ele é representado como um homem com cabeça de falcão ou como um falcão, sempre usando as duas coroas do Alto e Baixo Egito. Na qualidade de deus do céu, Hórus é o falcão cujos olhos são o sol e a lua.
 TOTH, era o deus-escriba e o deus letrado por excelência. Representado como um íbis ou um homem com cabeça de íbis, ou ainda um babuíno.

…embaixo na terra…”. (Êxodo 20, 4)
O que estava na terra eram os deuses e animais terrestres do Egito:
ANÚBIS, filho de Seth e Néftis, é o mestre dos cemitérios e o patrono dos embalsamares. É na realidade o primeiro entre eles, a quem se deve o protótipo das múmias, a de Osíris. Todo egípcio esperava beneficiar-se em sua morte do mesmo tratamento e do mesmo renascimento desta primeira múmia. Anúbis também introduz os mortos no além e protege seus túmulos com a forma de um cão, vigilante.

ÁPIS, o boi sagrado que os antigos egípcios consideravam como a expressão mais completa da divindade sob a forma animal e que encarnava, ao mesmo tempo, os deuses Osíris e Ptah. O culto do boi Ápis, em Mênfis, existia desde a I dinastia pelo menos. Também em Heliópolis e Hermópolis este animal era venerado desde tempos remotos. Essa antiga divindade agrária, simbolizava a força vital da natureza e sua força geradora.

KHEPRA, (escaravelho, em egípcio) ou um homem com um escaravelho no lugar da cabeça também representavam o deus-Sol. Nesse caso o besouro simbolizava o deus Khepra e sua função era nada menos que a de mover o Sol, como movia a bolazinha de excremento que empurrava pelos caminhos. Associados à idéia mitológica de ressurreição, os escaravelhos eram motivo freqüente das peças de ourivesaria encontradas nos túmulos egípcios.
 BABUINO ou cinocéfalo é um grande macaco africano, cuja cabeça oferece alguma semelhança com os cães. No antigo Egito este animal estava associado ao deus Thoth, considerado o deus da escrita, do cálculo e das atividades intelectuais. Era o deus local em Hermópolis, principal cidade do Médio Egito. Deuses particularmente numerosos parecem ter se fundido no deus Thoth: deuses-serpentes, deuses-rãs, um deus-íbis, um deus-lua e este deus-macaco.

APÓFIS, a serpente que habitava o além-túmulo, representava as tempestades e as trevas. As serpentes estavam entre os adversários mais perigosos e o demônio líder de todos eles era Apófis a grande serpente.
 BASTET, uma gata ou uma mulher com cabeça de gata simbolizava a deusa Bastet e representava os poderes benéficos do Sol. Seu centro de culto era Bubástis, cujo nome em egípcio ( Per Bast ) significa a casa de Bastet. Em seu templo naquela cidade a deusa-gata era adorada desde o Antigo Império e suas efígies eram bastante numerosas, existindo, hoje, muitos exemplares delas pelo mundo.
GEB, o deus da Terra é irmão e marido de Nut. É o suporte físico do mundo material, sempre deitado sob a curva do corpo de Nut. Ele é o responsável pela fertilidade e pelo sucesso nas colheitas. Ele estimula o mundo material dos indivíduos e lhes assegura enterro no solo após a morte. Geb umedece o corpo humano na terra e o sela para a eternidade. Nas pinturas é sempre representado com um ganso sobre a cabeça.
…ou nas águas debaixo da terra.”. (Êxodo 20, 4)
Por fim o que estava nas águas eram justamente os deuses animais que ficavam nas águas e que eram adorados no Egito:
 SEBEK, um crocodilo ou um homem com cabeça de crocodilo representavam essa divindade aliada do implacável deus Seth. O deus-crocodilo, era venerado em cidades que dependiam da água, como Crocodilópolis.
TUÉRIS, (Taueret ) era a deusa-hipopótamo que protegia as mulheres grávidas e os nascimentos. Ela assegurava fertilidade e partos sem perigo. Adorada em Tebas, é representada em inúmeras estátuas e estatuetas sob os traços de um hipopótamo fêmea erguido, com patas de leão, de mamas pendentes e costas terminadas por uma espécie de cauda de crocodilo.

Será que é mera coincidência, Deus ter proibido as “imagens” justamente quando os judeus saíram do Egito? E por que esta proibição se assemelha tanto aos deuses do Egito?  É apenas uma coincidência? Para que não haja mesmo qualquer dúvida ou questionamento de que Deus se referia aos falsos deuses do Egito, ao pedir que o povo não praticasse idolatria, nem fizesse "imagens", leremos agora um trecho do livro de Josué, que foi quem substitui Moises:
Agora, pois, temei o Senhor e o servi-o com inteligência e fidelidade. Afastai os deuses aos quais vossos pais serviram do outro lado do rio e no Egito, e servi ao Senhor”. (Josué 24, 14).
E para termos ainda mais certeza de que Deus falava claramente dos falsos deuses do Egito, leiamos o que fala também, Ezequiel 8, 8-10:
Filho do homem, disse-me ele, fura a muralha, quando a furei, divisei uma porta. Aproxima-te, diz ele, e contempla as horríveis abominações a que se entregam aqui. Fui até ali para olhar: enxerguei aí toda espécie de imagens de répteis e animais imundos e, pinturas em volta da parede, todos os ídolos da casa de Israel”.
O que podemos perceber com essa passagem bíblica? Obviamente que os sacerdotes estavam adorando os falsos deuses em forma de répteis e animais, que Deus havia proibido que fossem adorados.
O próprio Josué que condenou as imagens dos ídolos, se prostrou diante das imagens da Arca da Aliança e isso não foi caracterizado como idolatria:
"Josué rasgou suas vestes e prostrou-se com a face por terra até a tarde diante da arca do Senhor, tanto ele como os anciãos de Israel, e cobriram de pó as suas cabeças(Josué 7, 6)

Deus nunca iria se contradizer, proibindo e ao mesmo tempo mandando que se fabricassem imagens e permitindo de seus servos se prostrassem diante delas, como podemos ver em diversos versículos.
A serpente de Bronze:
"E disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente ardente e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo mordido que olhar para ela. E Moisés fez uma serpente de metal e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo." (Nm 21,8-9)
A própria serpente de bronze foi uma prefiguração de Cristo e ele próprio confirma isto, ou seja a crucificação de Cristo foi representada com uma imagem de cobra:

Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem, (João 3, 17)
Estaria Moisés cometendo idolatria?
O templo de Salomão:
E no oráculo fez dois querubins de madeira de oliveira, cada um da altura de dez côvados.” (I Reis 6, 23)
E revestiu de ouro os querubins. E todas as paredes da casa, em redor, lavrou de esculturas e entalhes de querubins, e de palmas, e de flores abertas, por dentro e por fora.” (I Reis, 6, 28-29)
E sobre as cintas que estavam entre as molduras havia leões, bois, e querubins, e sobre as molduras uma base por cima; e debaixo dos leões e dos bois junturas de obra estendida.” (I Reis 7, 29).
Para o interior do Santo dos Santos, mandou esculpir dois querubins e os revestiu de ouro.” (II Crônicas 3,10)
Era neste mesmo templo que os apóstolos e Jesus iam para orar:
"Jesus passeava no templono pórtico de Salomão.(João 10,23)
"Enquanto isso, realizavam-se entre o povo pelas mãos dos apóstolos muitos milagres e prodígios. Reuniam-se eles todos unânimes no pórtico de Salomão."(Atos 5, 12)
Estariam Jesus e os apóstolos sendo idólatras ao frequentar um templo repletos de imagens de escultura?
Fica provado, portanto, que Deus nunca proibiu a fabricação de imagens e sim de ídolos para a adoração, colocando-os no lugar do próprio Deus. Desmascaramos assim mais uma falsa interpretação protestante.
Referências
LIMA, Alessandro. Veritatis Splendor: Deus proibe a Fabricação de Imagens? Disponível em: . Acesso: 06/06/2012
MAGIA DO ORIENTE. Deuses egípicios. Dsiponível em:  . Acesso em: 06/06/2012.
Para citar:
RODRIGUES, Rafael. Deus proibiu a fabricação de Imagens. Apologistas Católicos. Disponível em: <http://apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/imagens/524-deus-proibiu-a-fabricacao-de-imagens>. Desde 06/06/2012.