Numa tarde cansada de outono, quando o sol se escondeu no horizonte. Ao ruído infantil de uma fonte, eu me pus a pensar em você. Em você que se sente perdido quando põe seu olhar nas estrelas, e de tanto contá-las e vê-las, já não sabe se crê ou não crê. Eu conheço as milhões de perguntas que você que falou que não crê, e que diz que só crê no que vê, todo dia pergunta pra Deus. Eu conheço as milhões de respostas, que ninguém tem coragem de dar, quando a vida nos vem questionar; Como vê somos todos ateus. Numa tarde tristonha de inverno retornei ao murmúrio da fonte. Não havia mais sol no horizonte, e eu me pus a pensar nos cristãos. Nos cristãos que se sentem tranquilos, quando põe seu olhar nas estrelas. E de tanto contá-las e vê-las, nunca mais põe os olhos no chão. Eu conheço as milhões de respostas, que esta gente que fala que crê, mas não ouve, não pensa e não lê, não responde por medo de Deus. Eu conheço as milhões de perguntas que os cristãos nunca ousam fazer. Pois terão de se comprometer; Como vê somos todos ateus.

O homem é um Universo em Evolução

O homem é um Universo em Evolução

sábado, 11 de julho de 2015

A Doutrina da Reencarnação e a Igreja Católica

A Igreja Católica aceitava a Doutrina da Reencarnação


Resumo do Artigo por:Clauhen Autor : Clawdio Santos

A Igreja Católica já acreditou em Reencarnação.

No cristianismo primitivo, por volta de 250 DC, havia um doutor da igreja chamado Orígenes que defendia juntamente com seu mestre São Clemente a doutrina da preexistência das almas, ou seja, a Re
encarnação.
Tais ensinamentos tinham por base os Evangelhos e também a doutrina de Platão e Sócrates.
Porém em 554 DC, no V Concílio de Constantinopla, por imposição do imperador romano Justiniano a Igreja passou a condenar a doutrina da preexistência das almas.
O próprio papa João Paulo 2º, expressou claramente que há comunicação entre vivos e mortos, conforme se vê no seu discurso na audiência geral do dia 2/11/1983. Não vejo nenhuma oposição entre o espiritismo e a Bíblia, pelo contrário, um sustenta o outro. É realmente difícil entender a Bíblia e somente com uma ajudinha mesmo, como fizeram Lutero e como fazem hoje os espíritas, aceitando orientações e esclarecimentos do plano superior. Quanto ao espiritismo ser uma Ciência, ele é mais que isso, é também filosofia e religião, e não acho que a ciência vá contra Deus, pelo contrário, a cada nova descoberta mais admirável é o encanto pelo Criador. É verdade que houve um período em que a ciência teve de romper como os teólogos, que também deveriam ser científicos, mas acredito que a ciência rompeu com a igreja e não com Deus, o que me parece absolutamente natural e já era esperado. Se a igreja ficar contra a ciência, a ciência seguirá seu caminho. Quer um bom exemplo? Quem hoje seria maluco de dizer que a Terra não é redonda? "Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR;" Malaquias 4:5

E Jesus ““disse:··”E, se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir.”·Mateus 11:14·· Então se João Batista não fosse Elias um dos dois teria que estar errado, Jesus ou Malaquias. As palavras dos dois estão na Bíblia, que costuma ser citada por aqueles que são contra a reencarnação ““.


Porque a Reencarnação passou a ser condenada pela Igreja Católica


Vivaldo J. de Araújo
O Concílio de Constantinopla – 553 D.C

Até meados do século VI, todo o Cristianismo aceitava a Reencarnação que a cultura religiosa oriental já proclamava, milênios antes da era cristã, como fato incontestável, norteador dos princípios da Justiça Divina, que sempre dá oportunidade ao homem para rever seus erros e recomeçar o trabalho de sua regeneração, em nova existência.
Aconteceu, porém, que o segundo Concílio de Constantinopla, atual Istambul, na Turquia, em decisão política, para atender exigências do Império Bizantino, resolveu abolir tal convicção, cientificamente justificada, substituindo-a pela ressurreição, que contraria todos os princípios da ciência, pois admite a volta do ser, por ocasião de um suposto juízo final, no mesmo corpo já desintegrado em todos os seus elementos constitutivos.
 
É que Teodora, esposa do famoso Imperador Justiniano, escravocrata desumana e muito preconceituosa, temia retornar ao mundo, na pele de uma escrava negra
 e, por isso, desencadeou uma forte pressão sobre o papa da época, Virgílio, que subira ao poder através da criminosa intervenção do general Belisário, para quem os desejos de Teodora eram lei.
E assim, o Concílio realizado em Constantinopla, no ano de 553 D.C, resolveu rejeitar todo o pensamento de Orígenes de Alexandria, um dos maiores Teólogos que a Humanidade tem conhecimento.
 As decisões do Concílio condenaram, inclusive, a reencarnação admitida pelo próprio Cristo, em várias passagens do Evangelho, sobretudo quando identificou em João Batista o Espírito do profeta Elias, falecido séculos antes, e que deveria voltar como precursor do Messias (Mateus 11:14 e Malaquias 4:5).
Agindo dessa maneira, como se fosse soberana em suas decisões, a assembléia dos bispos, reunidos no Segundo Concílio de Constantinopla, houve por bem afirmar que reencarnação não existe,
 tal como aconteceu na reunião dos vaga-lumes, conforme narração do ilustre filósofo e pensador cristão, Huberto Rohden, em seu livro " Alegorias ", segundo a qual, os pirilampos aclamaram a seguinte sentença, ditada por seu Chefe D. Sapiêncio, em suntuoso trono dentro da mata, na calada da noite: " Não há nada mais luminoso que nossos faróis, por isso não passa de mentira essa história da existência do Sol, inventada pelos que pretendem diminuir o nosso valor fosforescente ".
E os vaga-lumes dizendo amém, amém, ao supremo chefe, continuaram a vagar nas trevas, com suas luzinhas mortiças e talvez pensando - "se havia a tal coisa chamada Sol, deve agora ter morrido". É o que deve ter acontecido com Teodora: ao invés de fazer sua reforma íntima e praticar o bem para merecer um melhor destino no futuro, preferiu continuar na ilusão de se poder fugir da verdade, só porque esta fora contestada pelos deuses do Olimpo, reunidos em majestoso conclave.


Vivaldo J. de Araújo é Professor e Procurador de Justiça do Estado de Goiás.


Fonte: http://www.espirito.org.br/index.html

A Abolição da Doutrina da Reencarnação dentro da Igreja Católica

Desde que existiu ser humano existe a idéia da reencarnação. Encontramos nas grandes matrizes doutrinárias que deram origem às milhares de religiões e seitas no mundo essa idéia. Desde o Bramanismo, o Hinduismo, o Judaísmo, o Druidismo, o Budismo e o Cristianismo entre outras.
O Cristianismo deriva do Judaísmo e este sempre prestigiou a idéia da reencarnação. Nos seus primeiros séculos de existência o Cristianismo aceitava e vivia plenamente a idéia da reencarnação. No Concílio de 312 convocado por Constantino - Concílio de Constantinopla- a idéia da reencarnação começou a ser não só apagada mas banida do repertório católico. Porque? A Igreja já vinha se sentindo mal com essa idéia porque se contrapunha ao conceito de que a salvação só poderia ser atarvés da Igreja e Constantino se sentia também desconfortável com a idéia da reencarnação porque a reencarnação iguala os seres humanos, todos somos iguais espiritualmente, e o imperador ser igual de um servo seu não era uma idéia das mais confortadoras para as cabeças da realeza.
Assim que o Cristianismo foi incorporado ao Estado Romano e passou a ser a religião oficial do estado, começaram as perseguições àqueles que defendiam dentro da Igreja a idéia da reencarnação. Começou então uma longa trajetória de perseguições com inúmeras vítimas e marginalização de espíritos brilhantes dentro da Igreja. Eurígenes foi um desses defensores da reencarnação dentro da Igreja que foi aniquilado e seus seguidores os monges euriginistas foram tão perseguidos que acabaram desaparecendo.
A situação se consolidou com o Concílio de Constantinopla de 553 por obra do Imperador Justiniano lançando-se assim 15 anátemas contra as idéias de Eurígenes, sepultando definitivamente a reencarnação dentro da Igreja Católica Romana. Segundo todos os historiadores, o cristianismo perdeu seu elo principal que era justamente a idéia da reencarnação por obra dos Lideres Católicos.
Mas a idéia continuou através dos séculos dentro de certos movimentos na própria Igreja, através de seitas e todas elas foram sufocadas com lágrimas de sangue. Isso aconteceu com os paulicianos no século VII, com os gorgomitas no século X, com os famosos cátaros da França medieval, houve a cruzada dos albigeses de 1209 até 1229 que foi uma chacina sem precedentes, uma verdadeira carnificina como jamais houve, sempre na tentativa de sufocar o surgimento e a revitalização da idéia reencarnacionista.
Mas a idéia continuou, aqui e acolá, conservada por correntes exotéricas, pelos alquimistas (Izac Newton era um alquimista), pelos Rosa cruzes, pelos maçons e finalmente no século dezenove Allan Kardec introduziu definitivamente no corpo da Doutrina Espírita o príncípio postulado fundamental da reencarnação.
Provas científicas da Reencarnação existem muitas, existem as pequisas feitas pelo Dr. Ian Stevenson professor de psiquiatria da Universidade da Virgínia que subvencionado pela própria Universidade percorreu o mundo buscando provas científicas da reencarnação. Sua obra é vastíssima com diversos casos relatados e documentados.
Existe no Brasil o livro chamado Reencarnação do cientista Hernane G. Andrade, que catalogou dezenas de casos estudados cientificamente, e todo esse manancial está a disposição de quem procura a verdade.
A ciência já chegou ao ápice dos estudos da matéria, já vivemos a era das pesquisas espirituais, a física já estuda a hipótese científica do espírito e a biologia está caminhando para o mesmo sentido.
Há de se entender que muitos paradigmas serão quebrados e a ciência materialista terá de sofrer mudanças consideráveis admitindo a existência de uma mente que comanda o corpo e que já existia antes do corpo, interesses serão comprometidos e por isso ainda existe a barreira do preconceito. Mas diante dos fatos nada mais resta a fazer senão se entregar a eles. Assim como vivemos durante séculos num planeta redondo e só a 500 e poucos anos se comprovou que a Terra é redonda, depois da ideia ter sido combatida ferozmente, isso se tornou um fato e agora é natural e irrefutável. O mesmo ocorrerá com várias outras idéias que se tornarão fatos comprovados e que nem por isso teremos deixado de conviver com eles por todo o tempo mas não sabíamos ainda.


Pensamentos que me afligem
Sentimentos que me dizem
Dos motivos escondidos
Na razão de estar aqui
As perguntas que me faço
São levadas ao espaço
E de lá eu tenho todas
As respostas que eu pedi
Quem me dera que as pessoas que se encontram
Se abraçassem como velhos conhecidos
Descobrissem que se amam
E se unissem na verdade dos amigos
E no topo do universo uma bandeira
Estaria no infinito iluminada
Pela força desse amor, luz verdadeira
Dessa paz tão desejada
Pensamentos que me afligem
Sentimentos que me dizem
Dos motivos escondidos
Na razão de estar aqui
E eu penso nas razões da existência
Contemplando a natureza nesse mundo
Onde às vezes aparentes coincidências
Têm motivos mais profundos
Se as cores se misturam pelos campos
É que flores diferentes vivem juntas
E a voz dos ventos na canção de Deus
Responde todas as perguntas
Pensamentos que me afligem
Sentimentos que me dizem
Pensamentos que me afligem
Sentimentos que me dizem
Pensamentos que me afligem
Sentimentos que me dizem

Um comentário:

Daniel R. Aguiar disse...

O VERDADEIRO MOTIVO DA IGREJA CATÓLICA OCULTAR A REENCARNAÇÃO!

A VERDADE!

Em meados do século VI, a Igreja percebeu que maioria dos fiéis eram devotos de algum Santo e que a este atribuía muitos milagres de cura e por isso frequentavam a Igreja para rezar por seu Santo de devoção, agradecer pelo milagre e pedir por outros. Muitas Canonizações são realizadas até hoje, com o único intuito de atrair mais fiéis para a Igreja, agora imaginem só, se a verdade sobre a reencarnação fosse revelada e as pessoas começassem a questionar que se assim fosse, muitos Santos, mesmo sendo pessoas boas, com espíritos bastante evoluídos, ainda estariam em processo evolutivo ainda tendo que passar pelo ciclo das reencarnações, então como poderiam estes, estarem realizando milagres se após sua morte já estariam encaminhados para uma nova encarnação? Este questionamento dos fiéis com certeza iria fazer a Igreja Católica perder milhões de devotos e é justamente este o motivo da Igreja te deixado de ser reencarnacionista.
Este foi o real motivo da Igreja Católica ter rejeitado a reencarnação, pois temia a evasão dos fiéis e consequentemente o enfraquecimento da Igreja, então adotou a ressurreição, aproveitando que Jesus após a morte, verdadeiramente teve o corpo ressuscitado e ressurgiu para todos, como sinal de que existe um Deus fiel e poderoso conduzindo a todos nós.